segunda-feira, 18 de maio de 2009

Vem ver o mar!

É-me triste ser-se assim, viver-se assim, pensar-se e nada se pensar de todo.
É-me indiferente ver o mar, notar que ele vai e volta, perceber a força que ele tem e depois ter de consciencializar-me que nunca serei tão persistente!
É-me fácil aqui ficar, distraído a ver o mar, prostrado a teorizar sobre o que me irá calhar!
É-me simples verbalizar, soltar a palavra, escrevinhar!
Mas não faz sentido ficar só comigo, é inconsequente, é displicente dizer coisas ao vento sabendo que ele as só partilha com o mar. Para isso chego eu! Entro eu e minhas letras, mar a dentro, entro eu!
Afogo-me nos meus pensamentos… que suicídio mais prematuro, que morte mais ridícula!
Hoje, observo de novo o mar e sorvo a água, esfrio a cabeça, mas isso não faz com que eu me esqueça, isso não faz, mesmo, com que eu me esqueça!

Sem comentários: