sábado, 13 de junho de 2009

"B" de Beijo

Ramos do desassossego. Aproxima-se da minha cara o beijo. Sensação de estar em falta, não sei bem para com quê, mas muito provavelmente estar em falta para comigo mesmo.
O beijo chega. Vários segundos de pausa. Ao fim de alguns segundos de pausa, percebo que passaram já vários minutos. Quando os minutos não chegam, avistam-se as horas.
Estou parado num beijo faz já uns meses!
Tem momentos em que me parece sentir algum movimento, é no entanto ilusório, é somente uma brisa que me traz o aroma de outros gestos. Parado num beijo. Permaneço, parado num beijo!
O beijo preenche-me! Tanto quanto me ocupa, o beijo preenche-me!
Sinto o beijo em maior força, quanto mais parado me deixo estar.
Assim fico, parado no beijo, tão parado que meu corpo começa a solidificar, meus pés penetram o chão e enraízam-se, os braços prendem-se um ao outro, formam um abraço estático, sólido e por demais enfático! As mãos colam-se uma na outra, tanto assim, que fica difícil distinguir qual é qual.
Só os lábios permanecem vivos, rubros, vibrantes, como que sorvendo toda a vida do corpo para continuarem a receber o beijo.
E que beijo esse…
O sabor dos lábios mescla-se, ambos são apenas um!
O que dizer sobre esse beijo que não esteja escrito em poemas e prosas mil?
Dizer que é puro, dizer que é o mais puro de todos os beijos , falar que beijo assim é a prova que a utopia existe, que foi feita para ser conquistada.
Sabor de rosas, alegria de festa e candura de primeiro beijo! Aroma de chegada de verão, som de harpas, noite de lua cheia e primeiro mergulho no mar.
Sabor a paixão, candura, amor além da palavra! Amor além do conceito!
Beijo onde as línguas conversam, tocam-se e bailam. Beijo de tudo!
Beijo imenso que dá vida ao deserto!
Beijo perfeito, como ela!




Dedicado à "Bela"!

Sem comentários: