terça-feira, 8 de julho de 2008

"Esquisitofrenia!"






Caminhos que se cruzam por forma de encontrar um conjunto indispensável á respiração que nos move.
Um passo que se segue ao outro, sem preocupações de um pequeno percalço que pode acontecer quando ambos os passos se cruzem.
Uma sensação de velocidade lenta que aumenta a cada instante que… sei lá!
Ser honesto, ser sincero, dizer que não sei porque escrevo!
Falar que falo, apenas para ser ouvido.
Será sempre assim ser como eu, quero ser o que quer que seja o que eu quero ser?
Não faz sentido, o falar já não faz sentido. Já não me sinto sentido!
Vai embora, larga-me e deixa-me ir por onde quero! Solta-me! Deixa-me estar! Porque não me largas quando te peço? Porque és tão frio e cru? Permites-me só a um pouco de silêncio?
Reflecte-me em ti, deixa-me ver-me!
Deixa-me estar aqui, contigo…
Para que me deixas voar se só pensas no momento em que descanso a teu lado?
Será que vais ser sempre assim? Confuso?
Só me apetece fugir para dentro de um abrigo que desconheço.
Problemáticas, problemáticas todas umas a seguir ás outras… porque é que não és mais simples? Deixa-me estar, deixa-me andar simplesmente!
Eu sou tão simples, tu só me complicas!
Peço-te, com respeito… deixa-me ir!
Sou eu, tu! Fala-me, mas não me grites, só sou o que tu queres ser para mim! Se és complexo, eu também o sou, se és simples, forçar-me-ei a sê-lo também, eu só quero o nosso bem, tu sabes! Eu sou tu! Personalidade fraca e sentidos despertos, demasiado despertos! Dorme um pouco, deixa-me tomar controlo da pessoa que somos juntos! Confia em mim só um pouco e deixa-me seguir pelo nosso caminho! Sabes que no fim de tudo, serei só eu e tu! Consciência e emoção… fazemos parte do mesmo todo, permite-nos a lutar contra outra coisa que não a nossa própria pessoa. Deixa-te ir um pouco mais, vais ver que vais mais longe, pelo menos sairás um pouco do marasmo em que te moves tão mal! Moves-te mal, sim, eu sofro com o que tu pensas e dizes! Eu sofro!
Desisto, de nada vale falar-te, serás sempre tu e eu, nunca seremos nós, não, nunca nos poderemos sentir um… seria bom demais e já se sabe que a perfeição deixa sempre muito a desejar. Um abraço…

1 comentário:

as Pink as Red disse...

Adorei Ricardo. Quase consigo ver este teu texto transformado em ilustração. Será que somos mesmo uns artistas ou nascemos assim?
bjo