sexta-feira, 6 de junho de 2008

Pensamentos obsessivos, sobre atitudes irreflectidas!


(frases soltas e determinações sobre um segredo publico)


Como conseguir o mundo, se aquilo que conseguimos seguir é apenas a batida do nosso coração? O nosso coração quer muito pouco, estabilidade, esperanças de um futuro que não seja solitário e desflorado de sentido, um futuro que seja capaz de nos agradar até ao dia em que esse mesmo futuro para o qual sempre trabalhamos, se dissolva num passado agradável á memoria!

A coisa que mais queremos, é estar bem. Contraditoriamente, aquilo que nos faz evoluir é sempre o mal por que passamos e o estado mau em que nos encontramos.
Estamos sempre na procura do próximo momento de explosão interior que nos desmorona mas que nos deixa sempre uma base mais sólida assim que a poeira assenta. Estamos sempre a tentar evoluir, mas ficamos sempre a meio caminho do que quer que seja.
A evolução é um caminho enganador, estamos sempre a pensar que estamos a seguir em frente, se bem que aquilo que nos custa imenso concluir é que o caminho não é recto, aliás, nem direcção definida tem! Por vezes o caminho que temos de fazer é mesmo voltar a trás e fazer sempre imensas curvas e contracurvas até ao momento em que deixamos de andar!

Penso sempre no meu futuro pois o meu presente e o meu passado fazem-me desconfiar da validade de um futuro que me agrade ou preencha!

É sempre difícil encontrar força no local de onde tudo é retirado, no nosso ser, no meu “eu próprio”! Acho que ele já sofreu tantas alterações, que eu nem sequer sei quem ele é!

Tento respirar fundo, mas o ar que inalo é sujo demais e aquilo que os meus pulmões necessitam não é de ar sequer! Quero gritar o que sinto, mas não tenho voz, nem tenho emoções para partilhar, no meu fundo sobeja apenas a memória de um grito antigo, que de tanto o abafar, esqueci o que significava!

Lembro-me do passado, sempre que o presente se torna demasiadamente desinteressante ou doloroso! (não necessariamente por esta ordem!)

Quero um fim, mas um fim preenchido, mesmo repleto de coisas… só não quero é um fim preenchido de novos inícios! Isso matar-me-ia no final!

Sonho contigo, mas quanto mais te sonho, mais percebo que nem sequer te conheço… és mentira e medo, risco e passado, foste um dia e a minha vida tem mais coisas que fazer que te recordar…
Adeus e tenta sentir as palavras que eu não disse… tenta ouvir aquilo que não ousei dizer com medo de me magoar!

Lembra-te sempre que o meu sonho é a união, o ser todo, o ser pleno e saber que o sou… pois o dizerem-me que o sou, sem eu o sentir, não vale de nada!

Amor, amor é piada, a única coisa que é realmente verdade é o que fazes, principalmente o que fazes sentir aos outros! Estive lá, mas agora é o meu momento de ir… parto e confia que não volto, pelo menos como me conhecias…

Mudei, bastou-me viver para fazê-lo….

Encontrei-me, estava exactamente no mesmo sitio onde me guardei da ultima vez que me perdi…

Adeus, o passado chama-me á atenção e diz-me para viver o presente!

Sem comentários: